Direcional, Mitre, Helbor e Tenda são as empresas avaliadas pelo banco

Por Felipe Laurence, Valor Investe — São Paulo

Bradesco BBI divulgou uma série de análises sobre os resultados do 4º trimestre de 2023 das empresas ligadas ao setor da construção civil. Confira os comentários dos analistas:

Direcional tem vendas recordes

A Direcional apresentou resultados operacionais robustos no quarto trimestre, com vendas recordes para o período, mesmo sem considerar a participação no programa habitacional Pode Entrar, diz o Bradesco BBI.

Os analistas Bruno Mendonça, Pedro Lobato e Herman Lee escrevem que os números das operações da Direcional no Minha Casa Minha Vida mostraram melhoria tanto na comparação anual quanto na trimestral.

O destaque negativo foi a diminuição na velocidade de vendas da Riva, mesmo assim mantida em patamar saudável, explicada pela concentração de lançamentos no fim do trimestre.

O Bradesco BBI tem recomendação de compra para Direcional, com preço-alvo em R$ 30, potencial de alta de 37,9% sobre o fechamento de ontem.

Tenda sem grandes novidades

Para o Bradesco, a Tenda teve bons resultados operacionais no quarto trimestre, confirmando o bom momento da empresa, mas sem trazer grandes novidades, sejam positivas ou negativas no período.

Os analistas escrevem que as vendas cresceram 25% no ano e os lançamentos aumentaram 52% no período, no entanto, velocidade de vendas permaneceu estável.

“Acreditamos que a companhia continuará em um bom momento operacional em 2024, ainda vendo melhorias no seu lucro por ação”, comenta o banco. Eles veem as ações descontadas mesmo após a empresa publicar metas um pouco abaixo do esperado.

O Bradesco BBI tem recomendação de compra para Tenda, com preço-alvo em R$ 21, potencial de alta de 107,1% sobre o fechamento de ontem.

Mitre e sua estratégia assertiva

Já a Mitre apresentou resultados operacionais sequencialmente melhores no quarto trimestre, evidenciando a estratégia assertiva de lançamentos da companhia, com efeitos positivos nas vendas.

Para os analistas, a empresa tem uma perspectiva positiva de entregas de unidades no primeiro semestre, o que deve ajudar a gerar caixa para a empresa.

Mesmo com o bom momento operacional, o banco acredita que a empresa terá que resolver situações de governança e de alavancagem para que suas ações recuperem valor e confiança do investidor.

O Bradesco BBI tem recomendação de compra para Mitre, com preço-alvo em R$ 10, potencial de alta de 96% sobre o fechamento de ontem.

Helbor pode avançar

A Helbor teve seus melhores números do ano no quarto trimestre, com desempenho operacional robusto de vendas e lançamentos, após nove primeiros meses tímidos, aponta o banco.

A velocidade de vendas da companhia foi menor que o esperado por conta dos lançamentos concentrados em dezembro, reduzindo tempo de venda.

“Se a companhia conseguir executar seu plano de entregas em 2024 e receber o que lhe é devido pelos bancos, pode ter geração de caixa impulsionada e finalmente iniciar processo de redução de alavancagem financeira”, comenta o banco.

O Bradesco BBI tem recomendação neutra para Helbor, com preço-alvo em R$ 5, potencial de alta de 71,2% sobre o fechamento de ontem.