Levantamento da Abras também revela que cesta de alimentos apresentou queda de preço em setembro

Raphael Pati*

Com o preço dos alimentos básicos ficando um pouco mais em conta, as famílias brasileiras têm optado por comer mais em casa. É o que indica a mais recente pesquisa Consumo nos Lares, da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). De acordo com o levantamento divulgado nesta quinta-feira (26/10), o consumo doméstico aumentou em 2,62% no intervalo de janeiro a setembro deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Ao levar em consideração apenas o mês de setembro, houve um aumento de 0,8% no consumo nos lares, em relação ao mês anterior. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, a alta foi de 1,1%. Para o vice-presidente da associação, Márcio Milan, o consumo deve seguir em ritmo de aceleração até o fim do ano, com uma maior injeção de dinheiro na economia.

“Há de se recordar que foram injetados cerca de R$ 41,2 bilhões na economia com a PEC dos Benefícios no ano anterior, que impulsionou o consumo no segundo semestre. Neste ano, os recursos escalonados e mais previsíveis movimentam a economia e sustentam o consumo no domicílio, assim como as quedas consecutivas nos preços dos alimentos”, analisa o vice-presidente da Abras, Marcio Milan.

O levantamento destacou os principais recursos que foram injetados pelo governo federal no mês passado, a começar pelo programa Bolsa Família, que gerou R$ 14,58 bilhões a mais de recursos apenas em setembro. Além disso, foram destinados mais R$ 2,4 bilhões para pagamentos de Requisições de Pequeno Valor, do INSS; R$ 2 bilhões para o 5º lote de Restituição do Imposto de Renda; e, no fim de agosto, cerca de R$ 7,3 bilhões para o Piso Nacional da Enfermagem.

Cesta de alimentos mais barata

Outro destaque da pesquisa é a diminuição no preço dos alimentos básicos. De acordo com o levantamento, a Cesta Abrasmercado — que abrange o preço médio de 35 produtos nesse perfil — apresentou recuo de 1,72% no mês passado, ante agosto. Em 2023, a queda acumulada já chega a 6,52%. Entre os itens analisados, há alimentos, bebidas, carnes, produtos de limpeza e itens de higiene e beleza.

Os produtos que tiveram as quedas mais expressivas foram feijão, que recuou 7,55% no último mês e já acumula retração de 19,36% ao longo do ano, além de farinha de trigo (-3,25%), óleo de soja (-1,17%) e café torrado e moído (-1,08%). Até o momento, o produto que acumula a maior queda de preço no ano é o óleo de soja, que já retraiu 29,70% nos últimos nove meses.

Na comparação por regiões, a maior queda no preço da cesta foi observada na região Sul, com recuo de 2,19%. Na sequência, aparecem Nordeste (-1,69%), Sudeste (-1,51%), Centro-Oeste (-1,16%) e Norte (-0,71%).

*Estagiário sob a supervisão de Andreia Castro

CORREIO BRAZILIENSE

https://www.correiobraziliense.com.br/economia/2023/10/5137883-consumo-das-familias-brasileiras-cresce-262-de-janeiro-a-setembro.html