Os itens que compõem a cesta tiveram uma alta média de 2,07% em São Paulo no mês passado, mostra Procon-SP

Por Nathália Larghi, Valor Investe — São Paulo

O salário mínimo fixado no Brasil atualmente é de R$ 1.212. E isso não é o suficiente para comprar nem uma cesta básica em São Paulo, segundo uma pesquisa do Procon-SP. Os itens que compõem a cesta tiveram uma alta média de 2,07% em junho e ela atingiu preço médio de R$ 1.251,44 no fim do mês passado.

O aumento se acelerou no último mês, considerando que de abril para maio o preço da cesta básica teve alta de 1,36%, saindo de R$ 1.209,71 para R$ 1.226,10.

Segundo a pesquisa do Procon-SP, todos os grupos tiveram alta. No segmento de higiene pessoal, o aumento foi maior que nos demais, de 5,30%. Já em limpeza, a alta foi de 2,28%. Por fim, na alimentação, a alta foi de 1,78%.

A variação ao longo deste ano foi de 15,02%, ainda maior do que a inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que acumulou até de 5,49% até junho. Para se ter uma ideia, a cesta básica paulista subiu, só neste ano, mais até do que a inflação em 12 meses, que acumulava alta de 11,89% até junho, segundo dados do IBGE (Instituto Nacional de Geografia e Estatística).

Veja os produtos que mais subiram
  • Margarina (250g) 10,95%
  • Farinha de mandioca torrada (500g) 10,11%
  • Leite UHT (litro) 9,90%
  • Sabonete (unidade 90g) 7,83%
  • Presunto fatiado (kg) 7,82%
Veja os produtos com as maiores quedas de preço
  • Batata (kg) -11,79%
  • Cebola (kg) -8,17%
  • Ovos brancos (dúzia) -3,00%
  • Amaciante (2 litros) -2,05%
  • Açúcar refinado (5 kg) -2,01%

VALOR INVESTE

https://valorinveste.globo.com/mercados/brasil-e-politica/noticia/2022/07/14/cesta-basica-custa-mais-que-salario-minimo-e-alta-de-itens-supera-ate-a-inflacao.ghtml