Ministro bolsonarista Abraham Weintraub admitiu que candidatos “tiveram os gabaritos trocados” na segunda prova

O ministro bolsonarista Abraham Weintraub reconheceu neste sábado (18) que, por erro do MEC (Ministério da Educação), até 30 mil candidatos do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) podem ter sido prejudicados na edição de 2019. Conforme admitiu Weintraub, esses alunos “tiveram os gabaritos trocados” na segunda prova. A atualização dos resultados deve ser divulgada nesta segunda-feira (20).

“Esse foi o primeiro Enem sob o comando de Jair Messias Bolsonaro e sua equipe de ‘técnicos’, incluindo o tuiteiro Abraham Weintraub. E quem sai perdendo são os milhares de estudantes que foram prejudicados com os erros inadmissíveis na correção do gabarito”, afirmou Iago Montalvão, presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes). “Esse fato traz à tona, mais uma vez, o descaso que Bolsonaro tem com a educação. Exigimos uma investigação séria!”

Segundo Alexandre Lopes, presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), há “uma busca ampliada para identificar eventuais outras inconsistências”. Os candidatos que quiserem ter a prova corrigida manualmente devem enviar um e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., informando nome e CPF.

Em entrevista a jornalistas neste sábado, Lopes afirmou que até 30 mil estudantes podem ficado com avaliações erradas, o que equivaleria a quase 1% do total dos 3,9 milhões de candidatos. A informação contradiz o que disse, em vídeo, o ministro Weintraub. Segundo ele, o erro teria afetado apenas 0,1% dos candidatos.

Não foi o único revés desta edição. A nota média dos candidatos que fizeram as provas do Enem 2019 caiu nos quase exames objetivos, na comparação com a edição de 2018. As médias gerais foram de nota 523,1 para matemática e suas tecnologias; 520,9 para linguagens, códigos e suas tecnologias; 508 para ciências humanas e suas tecnologias; e 477,8 para ciências da natureza e suas tecnologias.

Com informações do Poder360